A Bailarina de Auschwitz - Opinião no Blogue D311NH4

Neste livro, Edith Eger conta-nos na primeira pessoa os horrores que viveu quando foi enviada para Auschwitz. Através de um relato muito verdadeiro e muito cru, é-nos relatado o máximo da crueldade humana e aquilo que fica dentro de uma pessoa que sofreu o que Edith sofreu.
Não pode haver uma verdadeira opinião a este livro porque, infelizmente, tudo o que aparece nele (até aquilo que nem em pesadelos poderíamos imaginar), infelizmente, foi a mais verdadeira e pura das realidades.
Este livro faz-nos sentir que estamos numa sala, com um café quente nas mãos, a ouvir a própria Edith a falar. É uma leitura que não parece leitura e que, sem se dar por isso, passa a voar.
O livro encontra-se dividido em quatro partes bem distintas umas das outras, em ordem cronológica: o antes, o durante e o depois. Sabemos logo de início que não vamos ter um relato apenas do que aconteceu durante a guerra. Sabemos que Edith escolheu uma profissão que pudesse ajudar as pessoas e isso torna este relato diferente, porque nos mostra o que todos nos perguntamos: Se sobrevivermos, como viveremos com certas memórias?
Como qualquer livro sobre o Holocausto (especialmente este, que nos é narrado de forma tão pessoal e íntima), gera sentimentos de raiva para com os responsáveis destas barbaridades. Mas, em simultâneo, despertam momentos de esperança e, principalmente, a relativização dos problemas quotidianos.
É, ao mesmo tempo, uma narrativa e uma consulta de psicologia. Porque, através das suas palavras, Edith faz-nos olhar para dentro de cada um de nós e descobrir sentimentos e emoções que se escondem. Passamos a encarar a a vida, e até os nossos problemas, com outros olhos.
É um livro mesmo muito bom. Recomendo!

Publicado em 10 Dezembro 2018

Arquivo

2019

2018

2017

2016

Visite-nos em:

Revista Bang Instagram Nora Roberts facebook youtube
Amplitude Net - e-Business