Divina por Escolha - Crítica no Leitura Não Ocupa Espaço

No primeiro livros vemos a adaptação de Shannon a Partholon, deixando o Oklahoma para trás, tornando-se na feliz encarnação da Deusa Eponina, assim como a fiel e encantada esposa do Sumo-Xamã Centauro, ClanFintan.
Neste segundo livro, Shannon descobre que está grávida, de forma hilariante e divertida, mesmo ao seu estilo, mas, à medida que avançamos na leitura, apercebemo-nos que "Divina por Escolha" é detentora de um cariz mais sério e dramático, do que o seu antecessor.
Apesar dos momentos divertidos a que Shannon nos habituou no primeiro livros se manterem, a medida a que aparecem é menor, visto que a carga emocional e o perigo enfrentado pela nossa protagonista é muito mais pessoal, nesta segunda obra.
Shannon encontra-se, agora, de novo no Oklahoma, de coração apertado e desorientada, tentando extinguir o mal que se encontra na sua dimensão em que nasceu, contentado-se com a preciosa ajuda de um certo piloto e da sua Amada Deusa Eponina.
Depois de devorar "Divina por Engano", e adorar a protagonista, Shannon Parker, tinha grandes expectativas em relação à obra que dava continuação à sua estória, ficando feliz por concluir que,"Divina por Escolha" esteve muito bem, mostrando-se à altura do esperado!
PC Cast continua a apostar no carácter humorístico de Shannon, mas aprofundando a protagonista, "amadurecendo-a", de forma a torná-la apta a sobreviver a esta nova e obscura fase da sua vida.
ClanFintan pouco aparece, deixando saudades, mas Clint, o piloto, faz um trabalho impecável ao ajudar a nossa divina. Lamento leitores, mas não acrescentarei mais pormenores sobre estas duas personagens, logo terão de ler o livro para perceberem o porquê. Mas aposto que ficarão na dúvida, sobre qual gostam mais, tal como eu!
Neste livro passamos a conhecer melhor Rhiannon, a origem deste problema todo. Ficamos a saber de onde vêm todas as suas ideias mórbidas, a sua sede de poder e controlo, e, acima de tudo, o que a tornou neste ser desprezível. Apesar da sua natureza dúbia, fui incapaz de não me comover com o seu passado, e de sentir compaixão pela personagem.
Um mal antigo está de volta, e mais uma vez, cabe a Shannon destrui-lo, ou seja, para além de divertimento, temos, também, uma boa dose de acção misturada com uma panóplia de referências mitológicas, algo bem patente desde o primeiro livro.
Em relação ao cariz romântico do livro, posso afirmar que nenhum leitor ficará indiferente!
Confesso que"Divina por Escolha" é uma obra muito mais "crua" que "Divina por Engano", e por isso, carrega comportamentos mais chocantes, até mesmo perversos, que poderão chocar alguns, mas esta série não é feita para os mais novos!
PC Cast consolida o selo de aprovação do Leitura Não Ocupa Espaço, mantendo-se como uma autora a seguir!

"Divina por Escolha" chega e conquista!
Uma obra de leitura muito rápida e fácil, graças à ligeireza do discurso e à pesquisa mitológica da autora (muito boa, por sinal!).
Com personagens sólidas, em especial, a protagonista, cuja carácter é, indubitavelmente, um dos melhores do romance paranormal da actualidade.
Uma leitura muito agradável, que me conquistou desde o primeiro parágrafo, e que terá, certamente, o mesmo efeito noutros leitores deste género literário!
Mal posso esperar pelo próximo livro!
Publicado em 24 Março 2014

Arquivo

2019

2018

2017

Visite-nos em:

Revista Bang Instagram Nora Roberts facebook youtube
Amplitude Net - e-Business