Highlander - Para além das Brumas - Crítica no blogue O Mundo Encantado dos Livros

Finalmente tive oportunidade de ler o primeiro livro desta serie e tirar algumas dúvidas que me tinham aparecido na altura em que li “Highlander - O Domar do Guerreiro”. Conheci por fim a forma como Adam Black se envolveu nos assuntos dos humanos e a razão pela qual Grimm parecia, por vezes, incomodado na presença de Adrienne. Estas eram apenas algumas das coisas que me despertaram a atenção durante a leitura do segundo livro, detalhes que parecem tão pequenos, mas que na verdade acabaram por deixar alguns espaços em branco na compreensão de tudo o que se passava.
Sendo o primeiro livro da serie, este “Para Além das Brumas” apresenta-se um pouco diferente dos outros. A escrita da autora parece-me um pouco mais modesta e até mesmo confusa em algumas partes. Para quem lê a serie pela ordem correcta, pode não se aperceber disto e vê essa alteração como uma melhoria, pois neste livro conhecemos uma Karen Marie Moning que mostra já um certo talento para a escrita, mas que ainda não dá tudo de si. Acredito que este livro tenha sido um ponto de viragem na carreira da autora, um livro que em que ela aprendeu com os seus erros e foi melhorando a sua escrita de forma surpreendente.
De qualquer forma, este é um livro que abre o apetite para aquilo que se segue e que deixa os fans da autora a suspirar pelo livro seguinte. Mencionei acima que há algumas partes confusas, elas realmente existem, mas acabam por não afectar demasiado a historia, nem estragar o prazer do leitor que se vai mantendo preso ao enredo que se mantem simplesmente delicioso. Na minha opinião, a autora não se perde em grandes descrições, deixando espaço para a imaginação de quem o lê, algo que apenas enaltece o livro.
As personagens mostraram-se perfeitas para desempenhar as funções pretendidas e gostei particularmente do detalhe de Adrienne não cair aos pés de Açor logo no início. Ao contrário daquilo que encontramos em outros livros do género, em que a mulher apaixona-se perdidamente logo no começo, neste romance ela tem pavor de homens bonitos e por isso a relação entre eles acaba por ser um pouco diferente e ao mesmo tempo divertida. Claro que acabei por ter um pouco de pena de Açor, que sofre bastante com as recusas da mulher, mas isso apenas me fez prender ainda mais à história. Ambos tinham passados complicados e que tentavam esconder, mas que os tinham marcado. Foi, por isso, complicado o desfecho desta historia e a presença de Adam também acabou por não ajudar em nada. Este fez o papel de antagonista, interpondo-se entre o casal e criando dificuldades na fortificação da relação entre Açor e Adrienne. Ainda não li o livro do Adam, mas espero que sofra bastante para conseguir ser feliz. Ele faz um papel detestável e merece sofrer um bocadinho para conseguir o seu final feliz.
Em resumo, gostei muito deste livro e espero ler os quatro que me faltam em breve! Karen Marie Moning é uma autora que passei a seguir e que nunca me deixa arrependida de o fazer.
Publicado em 19 Setembro 2013

Arquivo

2019

2018

2017

Listas de Recomendações

Visite-nos em:

Revista Bang Instagram Nora Roberts facebook youtube
Amplitude Net - e-Business