Jogos Perversos - Crítica no blogue Crónicas de uma Leitora

Jogos Perversos é o primeiro livro da série Wicked Lovers de Shayla Black. Explorando a descoberta e a aceitação da sua sexualidade, Morgan é constantemente abalada nas suas convicções do que é certo ou errado. Os seus desejos e fantasias mais profundas não se enquadram no que a sociedade dita como normal por isso refreia a todo o custo a sua natureza sexual como submissa. Apesar de ter um programa televisivo sobre sexo obteve pouca satisfação nos seus 25 anos de vida, por isso quando conhece Jack um conhecido Dominador do Louisiana tenta afastar a todo o custo as promessas de prazer que ele lhe faz.
Jack é um segurança profissional que sabe o que quer, quando quer e como quer, não hesitando em exigi-lo. Por isso nos dias que passa fechado no meio de nenhures com Morgan vai-se impondo e mostrando que a conhece melhor que ela própria levando-a a revelar todos os seus desejos mais secretos e as suas fantasias mais obscuras.
A acção é surpreendentemente rápida e ao terminar o livro podemos achar que apenas alguns dias poderão ser insuficientes para os protagonistas se apaixonarem contudo não podemos esquecer que eles se encontram no meio de um pântano sem nenhuma distracção o que faz com que a interação deles tenha uma dinâmica diferente.
As cenas de sexo sucedem-se, este é provavelmente o livro mais sexual que li porém tendo em conta que se trata do auto-conhecimento da sexualidade de uma das personagens faz todo o sentido.
No entanto temos uma história de fundo bem construída, ambos têm um passado que lhes trouxe dissabores e repercussões nas suas personalidades e enquanto Morgan descobre-se a nível físico, Jack aprende a conhecer a profundidade dos seus conhecimentos.
Gostei do facto de Jack apesar de Dominador preocupar-se em primeiro com o bem-estar e prazer de Morgan, acho que temos demasiados livros no mercado em que os homens são violentos e egoístas preocupando-se com o próprio prazer e tratando a mulher como um objecto, felizmente Jack não é um idiota armado em autoritário tem na verdade o poder do seu lado e sabe usá-lo. Também o facto de ir desmontando as muralhas da jovem fazendo-a aceitar-se e compreender-se é muito importante para a acção e é mais um ponto a seu favor.
No geral e dentro dos escassos conhecimentos que tenho de BDSM julgo que o tema está bem retratado e explorado, não me parece haver qualquer abuso de força ou autoridade e mesmo quando a protagonista diz Não temos acesso aos seus pensamentos sabendo que é exactamente isso que ela quer.
Uma leitura inebriante e altamente viciante que questiona o que é normal e até onde podemos ir para explorar a nossa sexualidade. Para mim tem só um ponto negativo que é o facto de Jack e Morgan se tratarem por você até ao final, acho completamente despropositado.
Sei que devido ao facto de o tema central ser o sexo levará a algumas opiniões negativas porém não quero que os meus leitores se sintam defraudados com a minha opinião, sim eu gostei, achei o tema excelentemente retratado mas não é para as mentes mais contidas.
Deixo por fim um apelo às editoras: Por Favor parem de comparar todos os livros às 50 sombras de Grey irão afugentar muitos leitores com essa referência.

Publicado em 27 Junho 2013

Arquivo

2019

2018

2017

Visite-nos em:

Revista Bang Instagram Nora Roberts facebook youtube
Amplitude Net - e-Business