Jogos Perversos - Crítica no Efeito dos Livros

Eu queria dizer que, comparar este livro às 50 Sombras de Grey é possível mas tem limites. Para começar, fazia uma sugestão. Aquela referência ali no canto superior direito devia ser tipo autocolante, até podia ser de uma cor berrante para chamar atenção (o único objectivo de comparar este com o outro é o de chamar atenção) mas o leitor, depois de o comprar e de o ler, devia ter a oportunidade de "separar as águas" e colocar a série de Shayla Black num canto e o Grey noutro. Até podem ser da mesma família mas apresentam características que os destingem e os tornam especiais.

No entanto, mesmo com esta classificação chamativa (e que nada me choca), este livro tem muita coisa que me agrada: romance, intriga, sexo e humor.
Não são estes os melhores ingredientes para fazer um bolo que faz o tempo passar a correr, as páginas voarem nas mãos de um leitor que não quer mais nada do que passar um bom bocado a ler enquanto se diverte com as loucuras e histórias das personagens? Eu comia uma fatia deste bolo todos os dias!
 
Shayla Black não se limitou a debitar uma surpreendemente excitante história carregada de cenas tórridas. A autora conseguiu envolver o que já esperávamos, a exploração de uma história a dois, num enredo de mistério, perseguição e mentiras que nos prende até às últimas páginas. 
Além disso, tem personagens fortes, com conteúdo, com medos, com um passado plausível repleto de traições e inseguranças. Especialmente Morgan que finalmente encontra em Jack uma maneira remendar a sua auto-confiança, mesmo que os métodos usados sejam um pouco extremos, vemos a personagem evoluir e reconhecer os "buracos" que tinha na alma (e no corpo).
 

Confesso que esta série já me conquistou e ainda só li um livro. Assim como os livros que compõem a saga Predadores da Noite de Sherrilyn Kenyon (do qual sou fã e já li tudo o que está editado em inglês), "Jogos Perversos" tem a dinâmica "um casal por livro" o que nos permite apreciar a história que lemos no momento, conhecer personagens novos, rever os antigos e ainda acrescentar mais qualquer coisa ao fio condutor da saga. Se "Wicked Lovers" tem um fio condutor, não sei ainda dizer, mas ao ler a sinopse do segundo livro, verifiquei que a personagem principal é o melhor amigo e sócio de Jack. Vai saber tão bem "rever" Deke!

Publicado em 17 Janeiro 2014

Arquivo

2019

2018

2017

Visite-nos em:

Revista Bang Instagram Nora Roberts facebook youtube
Amplitude Net - e-Business