Luz e Sombra - Crítica no blogue Pedacinho Literário

O trilho acidentado, precipitado, que percorre os amargos da esperança, desencadeia numa profunda bruma de luz e sombra, de alegria e desespero, de amor e violência. Mas por entre a celeridade, a potencialidade, da magia eterna, um espectro negro, desgastado, fúnebre, paira ao de leve, sempre atento, sempre desperto... e sempre pronto a atacar.

Luz e Sombras trata-se de uma narrativa extremamente envolvente e feminina, que vem mostrar uma faceta mais suave – mas não menos intensa – de uma autora que prima pela ousadia, pela exuberância e pela perícia. Se no romance anterior, Os Pilares do Mundo, o ambiente encontrado foi de irascibilidade, de medo e de perseguição, em Luz e Sombras, todos esses juízos são levados ao extremo. Com as sensações à flor da pele, o leitor vê-se induzido numa infinita busca pela força do bem em detrimento da sujidade, da opressão e da negrura que tem vindo, progressivamente, a penetrar em Sylvalan, acompanhando, com entusiasmo e louvor, todo o percurso das personagens que, facilmente, aprisionaram, noutro tempo, o olhar atento e crítico do leitor.

Anne Bishop é, pura e simplesmente, extraordinária com a palavra escrita. Cautelosa, arrebatadora e coerente são, somente, meros termos capazes de descrever o princípio, o aprazível começo, da longa linha de espectacularidade que circunda esta autora. Os mundos que cria, as personagens que transpõe para o papel e a forma como engendra todos os acontecimentos, todos os momentos de acção, todas as tomadas de decisão são fascinantes se, não mesmo, por vezes, brilhantes. Uma escritora especial que roça, muito próxima, muito perto, o limiar da perfeição.

Numa mistura explosiva de uma realidade perversa, desflorada, com uma fantasia ferina, sedutora, os contornos narrativos voltam, magnificamente, a surpreender. Optando pela ocasional surpresa e pela profunda necessidade do constante folhear das páginas, Bishop remete o leitor para um universo onde a magia e a natureza partilham uma sabedoria sem igual, e onde o homem, dono de si, esforça-se por encontrar o estatuto que, em última instância, lhe ofertará o total controlo de que tanto sente falta.
Observado está também o imenso desenvolvimento de um (ainda que) restrito leque de personagens, assim como o aparecimento de tantas outras igualmente interessantes e curiosas. Destacam-se o Bardo, Aiden, e a atraente Musa, Lyrra, que, ao longo da sua busca comum, acabam por não só encontrar a amizade e a paixão que os precedia, de tempos longínquos, como, também, o doce sabor do amor e do compromisso.

Nota-se, tanto a nível principal como secundário, uma cada vez mais latente fragilidade de cariz mortal – e, consequentemente, humano – presente nas entidades feéricas, etéreas, de Tir Alainn. E ainda que o desejo destes seres perpétuos não vá, de encontro, aos anseios de tantos outros da sua espécie, só o facto de persistirem na trama e de se mostrarem irrefutáveis, gananciosos, permite que seja exposto um lado mais maduro e selvagem que, gradualmente, vai invadindo as páginas deste livro.
Em concreto, e a nível pessoal, merecem menção intervenientes como a bruxa Breanna, que com o seu espírito livre e língua afiada, proporciona ao leitor verdadeiros momentos de humor; o Barão Liam, que com o seu carácter altruísta e protector ajuda a que o leitor se sinta um pouco mais seguro em relação ao futuro que se aproxima, e Ashk, Senhora das Florestas, criatura que tanto tem de encanto como de perigo.

Sente-se, ao longo de toda a trama, que este é um livro transitório, que passa de um plano de descoberta e difícil assimilação para um outro plano de confronto e acção. Também por não estarem tão presentes, em termos físicos, os Inquisidores, proporciona a que o leitor sinta a real essência do medo que estes espalham através de conflitos, choques, que vão surgindo um pouco por todo o enredo. Percebe-se, ainda, que Luz e Sombras é como um catapultar de emoções, possíveis desfechos e inesperados trechos narrativos de uma história que, de si já tão repleta de tensão, somente poderá culminar numa estrondosa e inesquecível terceira parte. E embora este seja um volume mais negro, sombrio, cruel, onde a infinitude é algo de muito ténue, é, em igual medida, uma narrativa que transborda amor, lealdade e, acima de tudo, amizade e espírito de família, de união.

Quanto ao cenário, este vai de encontro ao já testemunhado no romance anterior, possibilitando agora um maior e mais detalhado desenvolvimento relativamente às florestas e meios da Natureza Mãe. Visto serem as bruxas, a Casa de Gaian, o povo em voga, fica clara a intensa presença da magia, dos campos e dos elementos naturais – água, fogo, terra e ar.
A escrita de Bishop é, para mim, não só incomparável como inconfundível. Com nuances optimistas mas sempre sem se deixar descurar da tenebrosidade e receio que invadem o ambiente narrativo, este é um estilo que tanto adoro quanto admiro. O seu tom bélico, às vezes poético mas constantemente exigente, é parte do fascínio que todas as suas obras partilham com o leitor.

Numa trilogia maravilhosa e, ao mesmo tempo, recheada de escuridão, Luz e Sombras é uma excelente aposta por parte da Saída de Emergência que, arriscando em autores de renome e qualidade, consegue marcar a diferença entre as outras demais obras de igual estilo. Sem dúvida, um livro a ler.


Excerto:
«[…], eram as orelhas pontigudas o que revelava o animal subjacente àquela figura: o animal que a tornava inferior aos humanos e, portanto, dispensável. Não havia lugar no mundo para aquilo que os homens não podiam controlar, nem dominar.»

Publicado em 5 Julho 2012

Arquivo

2019

2018

2017

Visite-nos em:

Revista Bang Instagram Nora Roberts facebook youtube
Amplitude Net - e-Business