Monstress - Despertar opinião no Bandas Desenhadas

Conforme noticiámos durante a antevisão da obra, a Saída de Emergência publicou o primeiro volume de Monstress, intitulado Despertar, da autoria de Marjorie Liu e Sana Takeda.

Este mês, a obra foi agraciada inclusivamente com um Hugo Award na categoria de História Gráfica, uma categoria atribuída desde 2009 pela World Science Fiction Convention. Entre os nomeados encontravam-se outras 2 séries em publicação em Portugal – Saga e Paper Girls -, bem como três série da Marvel – Black Panther, Ms. Marvel e The Vision.

Takeda encontrava-se também nomeada para a categoria de Melhor Artista Profissional, prémio atribuído pela terceira vez à ilustradora Julie Dillon.

Não deixa de ser curioso que o regresso da Saída de Emergência à edição de banda desenhada,  se dê com duas obras protagonizadas por personagens femininas, ao contrário da primeira incursão com a adaptação dos dois primeiros livros do spin-off da Guerra dos TronosHistórias de Dunk e Egg (O Cavaleiro de Westeros e A Espada Ajuramentada, editados nos EUA pela Marvel), apesar de estar omnipresente o género da fantasia.

Tal como em Nimona, também em Monstress os principais personagens destacam-se do universo maniqueísta criado, revelando ambiguidades morais suficientes que permitam a sua identificação como personagens com as complexidades características dos seres humanos (leia-se tal no sentido lato e não nos debruçando nas diferentes “espécies” que populam o volume).

Liu continua a explorar a criação de mulheres agressivas que desejam ser livres para se expressarem como entenderem, convicta que a sobrevivência requer um poderoso desejo de viver. Não é por acaso que uma das suas fontes de inspiração são as narrativas dos seus avós sobre a sua vida na China durante a II Guerra Mundial.

Maika Halfwolf, a protagonista de Monstress, é uma arcânica, uma ordem de criaturas mágicas que podem por vezes passar por humanos. Ela sobreviveu a uma guerra devastadora entre os Arcânicos e os humanos. Se estes últimos contam com as feiticeiras que obtêm o seu poder via os corpos dos Arcânicos, a Maika tem literalmente um monstro dentro dela, repleto de raiva e com o qual ela luta pelo controlo.

Apesar da história iniciar com um leilão de escravos onde os homens fazem as suas ofertas, o mundo pós-apocalíptico de Monstress é governado por mulheres que lutam pelo seu domínio, com armas que variam desde lança-chamas a espadas e feitiços.

Numa história onde se aborda a escravidão e o racismo, Liu também se dedica à guerra e às experiências pós-traumáticas da mesma.

A obra alimenta-se ainda do folclore e a cultura popular asiática com que as autoras contactam, em especial a chinesa de Liu e japonesa de Takeda, bem como do género fantástico em geral e do steampunk em particular, criando um universo simultaneamente original mas familiar.

Marjorie Liu e Sana Takeda tinha trabalhado pela primeira vez em X-23 da Marvel, uma personagem feminina também conhecida pela sua agressividade. Monstress é uma obra visualmente inspirada pelo manga e os comics norte-americanos, bem como nos géneros em que se alicerça. O olho do leitor é confrontado com desenhos detalhados e uma colorização perfeitamente coincidente com a atmosfera requerida em cada momento, primazia de Takeda ser responsável por toda a arte gráfica do volume.

Após a leitura do primeiro livro, certamente que os leitores ansiarão pela edição do segundo, lançado em julho deste ano nos EUA.

Publicado em 21 Dezembro 2017

Arquivo

2019

2018

2017

2016

Visite-nos em:

Revista Bang Instagram Nora Roberts facebook youtube
Amplitude Net - e-Business