Nunca Perdoar, Nunca Esquecer opinião no Livros e Marcadores

Kick, raptada com 6 anos, agora com 21 anos, ficou marcada para sempre!
Numa vida ensombrada por este evento, Kick dedica-se a seguir o rasto de crianças que desaparecem e a tentar encontrar conexões entre elas com a ajuda do seu irmão.

Quando duas crianças desaparecem, Bishop, um homem misterioso, aborda-a, e pede a sua ajuda.  Estará ela preparada para o que lhe pede? Poderá ela confiar em Bishop?
É o primeiro livro da autora que leio. Já tinha sido aliciado a "ler" a autora no passado e eis que surge a oportunidade através do primeiro livro da série #Kick Lannigan, através da Saída de Emergência. Oportunidade que agarrei com muita satisfação.
 


Apesar de ter um tema forte subjacente, o rapto e a pedofilia, achei extraordinária a abordagem ao tema. Sem utilizar uma abordagem descritiva da temática que vise chocar, Chelsea Cain, conta-nos a história com eloquência tal que criamos desde logo laços com Kick e que deixa, a meu ver, um maior destaque à história e ás personagens em si.
Volvidos dois dias de uma leitura rápida e vertiginosa, ainda não consigo distinguir qual dos elementos me apaixonou mais! Se foi a escrita fluída e límpida, ou a intensidade da história, ou mesmo as personagens coerentes e verosímeis. Mas, no conjunto, foram estes os elementos que deram um ímpeto de voracidade à leitura deste livro.

Deixem-me fazer uma correcção, não li este livro!, parece-me que a palavra "devorei" se adequa mais. Contestei o sono com convicção que pela madrugada me tentou, e desde logo percebeu que era uma batalha perdida. Foi, de facto, uma leitura deliciosa.

Há um detalhe, no meio do livro, que adorei. A autora, muito oportunamente começa a semear a dúvida de uma forma mais explicita, e este pequeno detalhe, ainda que possa passar desapercebido, é o inicio de uma alteração da abordagem da leitura por parte do leitor, ainda que inconscientemente. (Isto para quem gosta da mecânica da escrita de ficção - ou escrita criativa - poderá ter um valor acrescido.) 


Gostei do final. Transformou-se numa porta entreaberta, para todo o tipo de especulações, sem contudo, deixar de finalizar a história.

Quanto às personagens:
Kick é uma personagem verosímil. Se fosse uma super mulher, com convicção de ferro não me atrairia tanto. Gostei da fragilidade, dos estados de alienação em que por vezes de via mergulhada. No limbo que caminhava, entre a mágoa e o sentimento de pertença, entre o certo e o errado. A fragilidade e a força que se opunham e irradiavam dela. O que a define melhor seria dizer que é uma mulher que vive numa constante luta, quer interna, quer externa, de sobrevivência e de adaptação.


Tudo isto é-nos mostrado linearmente no desenrolar do livro, na escrita capaz e assertiva da autora.

Quanto a Bishop, cabe a parte do mistério e da dúvida. Um homem com uma profissão estranha, experiente, que vive nas sombras. Obviamente, o facto de a história ser contada pela perspectiva de Kick, levanta muitas dúvidas, e dá uma visão subjectiva ao leitor, o que ajuda a enfatizar um relativo mistério e a alimentar a dúvida, com convém.

Muito bom. Espero que a Saída de Emergência, nos continue a oferecer esta série, que ao que pude ver já vai no segundo livro.
Publicado em 22 Julho 2016

Arquivo

2017

2016

2015

Visite-nos em:

Forum Bang Forum Bang Nora Roberts facebook youtube
Amplitude Net - e-Business