O Diabo no Rio - Crítica no Pedacinho Literário

Nem mesmo uma ocasião especial, como o casamento, ou o fruto, o tempo a sós que daí pode advir, é, por vezes, motivo firme o suficiente para afastar todos os sarilhos, todos os problemas e perigosos presentes na vida de Mercy. E mesmo quando o que esta mais deseja é desfrutar de uma boa dose de amor e companheirismo com o seu lobo favorito, um mal astuto e malicioso é o que encontra, nas profundezas de um rio de aparência serena...

O Diabo do Rio não é como os anteriores volumes desta colecção. O Diabo do Rio trata-se de um livro muito próprio, com uma personalidade forte e onde, no seu interior, se encontram informações preciosas que vão de encontro a pequenas partes misteriosas – para o leitor – do passado e das raízes desta protagonista sem igual. Assim, é com grande entusiasmo que se folheia este romance paranormal, com a certeza de que Mercy não mais será uma estranha para si própria, e de que muitas revelações e momentos de tensão estarão à sua espera num futuro demasiado próximo.
Patricia Briggs é, pura e simplesmente, fabulosa. Poucos são os adjectivos capazes de descrever o quão magnífica, arrebatadora e envolvente é a escrita desta autora, assim como a inteligência presente e perspicaz que se esconde por trás de cada instante narrativo, de cada passo, de cada intento.

Adoptando uma perspectiva ligeiramente diferente, para mim, este foi um enredo que se iniciou de forma bela e harmoniosa, passando por uma fase de maior suspense e risco, e terminando precisamente da melhor maneira possível, muito ao estilo pessoal da escritora. E foram esses momentos no começo da história, desde as gargalhadas provenientes de uma festa surpresa – mas planeada! –, ao amor sentido entre as duas personagens principais desta trama – Mercy e Adam –, aqueles de que mais gostei e que maior impacto tiverem em mim, enquanto leitora. Em consequência desse conhecimento mutuo e dessa vontade de privacidade entre os protagonistas, originou-se um desenrolar algo lento e cadenciado da acção, mas que rapidamente se viu acompanhado de muitas surpresas e descobertas, o que, por sua vez, não só criou um ritmo muito particular na ocorrência de eventos, como estabeleceu um renovado e mais estreito laço entre personagens e leitor.

É sempre bom e interessante conhecer novos rostos, novas visões e intelectos, e este livro proporciona exactamente isso, introduzindo uma série de entidades de extrema importância e que, na sua essência, detém uma ligação muito pessoal com o passado e origens de Mercy. Contudo, por vezes sente-se a falta da familiaridade que os anteriores volumes da série trouxeram consigo, visto o cenário deste título centrar-se, maioritariamente, numa reserva remota e desabitada daquelas figuras emblemáticas que o leitor veio a acarinhar.
Como seria de esperar, a escrita de Briggs mantém-se cativante e ao mesmo nível, em termos de qualidade, a que habitou os seus leitores, no entanto, e quanto a mim, a direcção da história em si, o povo em que se centra, as lendas e os mistérios que alberga, assim como a criatura que desenvolve, não foram suficientemente fortes e apelativos para despertar a minha total atenção. Continuo a adorar Patricia Briggs e penso que esta saga – e autora – é das melhores que se encontram a ser publicadas actualmente, e das melhores que li, até hoje, dentro da fantasia urbana, com um leque de personagens e uma protagonista altamente brilhantes e recomendáveis, mas, pessoalmente, esta não foi uma leitura muito fácil no que diz respeito ao tema escolhido.

Sim, foi curioso descobrir alguns factos, até então desconhecidos, sobre Mercy, assim como presenciar algumas das suas reacções a situações totalmente inesperadas e novas para si. Sim, foi agradável «mudar de ares» e sentir o quão importante Mercy é para Adam e até que ponto estão os dois dispostos a ir um pelo outro. Porém, sim, também foi uma leitura algo sofrida porque embora tenha sido interessante, a parte ameríndia de Mercy e o tema «índios» no geral nunca foi assunto que me tivesse verdadeiramente deixado na expectativa de.
Ainda assim, este é um livro certamente indispensável na série e que tanto vem responder a algumas questões como deixar outras tantas em aberto. Uma aposta eximia por parte da Saída de Emergência, numa autora e série que muitas alegrias me deram. Aguardo, ansiosamente, a publicação do próximo volume.

Publicado em 7 Fevereiro 2013

Arquivo

2019

2018

2017

Listas de Recomendações

Visite-nos em:

Revista Bang Instagram Nora Roberts facebook youtube
Amplitude Net - e-Business