Os Filhos de Salazar - Opinião no blogue As Leituras da Fernanda

Quem me conhece sabe que adoro ler histórias cujo pano de fundo seja Portugal de 1920 a 1975. Não sei bem de onde vem esta minha predileção. E se calhar até sei. Filha de pais já maduros, (quando nasci a minha mãe tinha 42 anos e o meu pai 47), sei que devia ter nascido uma geração mais cedo, daí que adore conhecer melhor essa época.
E realmente, como não podia deixar de ser um livro com este título - Os Filhos de Salazar - o livro de António Breda Carvalho, aborda o Portugal de 1928 até ao 25 de abril.

A capa é lindíssima, não concordam? E acreditem, bastante representativa! :)

Mariana e Mariano são duas crianças que crescem como irmãos, apesar de não o serem, no lar de Leandro de Albuquerque, um catedrático nacionalista cuja casa era frequentada por nomes sonantes como o Cardeal Cerejeira (aliás, padrinho de Mariano) e António de Oliveira Salazar.

Mariano cresceu para vir a ser padre, e a sua história foi para mim muito mais interessante do que a de Mariana, apesar desta ser tão inspiradora como esclarecedora. A escolha patriarcal de Mariano levou-o a uma aldeia nos confins de Portugal - Rio Calmo - que veria as suas águas bastante agitadas pelas iniciativas do Padre Mariano. Mariano colocava o bem estar do povo acima de tudo e todos com Deus a vigiar.
Com o passar dos anos, Mariano abriria os olhos para a realidade da vida, e entenderia que as pessoas que ele achava serem os "salvadores da pátria", não o eram, bem pelo contrário. 

Iludida, foi coisa que Mariana nunca esteve, facto que a levou a provar diversos dissabores pela sua vida fora. Essa jovem considerada por muitos como uma verdadeira estouvada e libertina, mau exemplo para a mulher portuguesa da época, é também ela considerada "filha de Salazar", já que foi nessa época que cresceu e se tornou adulta. Mariana é um exemplo um pouco exagerado para as jovens que se insurgiram contra o sistema e em defesa dos seus direitos, e que tal como muitas acabou por aprender que a liberdade tem um custo por vezes demasiado caro. 
Tenho pena que o autor não tenha desenvolvido um pouco mais a história de Mariana. Soou-me um pouco superficial demais, bem ao contrário da de Mariano.

Gostei imenso desde livro e da escrita do autor, que já conhecia desde O Fotógrafo da Madeira, leitura que também adorei. Fiquei a conhecer um pouco mais sobre esta época que me fascina. Adorei! 

Muito obrigada António Breda Carvalho! Aguardo ansiosamente por mais publicações suas. :)

Publicado em 14 Julho 2016

Arquivo

2017

2016

Visite-nos em:

Revista Bang Instagram Nora Roberts facebook youtube
Amplitude Net - e-Business