Raven - Noites de Florença - Crítica em Os Livros Nossos



Raven - Noites de Florença
, do autor Sylvain Reynard é um romance de cariz fantástico, que corresponde a um muito bem conseguido spin off da série " O Inferno de Gabriel", também editada em Portugal pela chancela Chá das Cinco das Edições Saída de Emergência.

O roubo de importantes ilustrações de Boticelli, propriedade do Professor Gabriel Emerson e da esposa Julianne, que se encontravam em exposição na Galeria Uffizi, no coração da Cidade de Florença, faz incidir o foco das atenções na jovem Raven Wood, uma conservadora de arte que, em simultâneo com o facto de ver recair sobre si fortes suspeitas de prática de um crime, entra inadvertidamente em contacto com o submundo da cidade de Florença, governado pelo atraente e devastadoramente sexy e misterioso William York, o príncipe de Florença.

Raven assiste a mudanças em si mesma que jamais suspeitaria possíveis, e vê em risco a sua segurança e a permanência em Florença, onde sente ser a sua zona de conforto, perante o peso de demónios do passado, na sua terra Natal nos Estados Unidos. Portadora de uma deficiência física, sonha, sem grande esperança, ser bem sucedida em termos afectivos.

Caberá a Raven redescobrir a sua identidade e o seu valor enquanto pessoa, fazendo um percurso pessoal e afectivo que ponham em evidência que as imperfeições e as vulnerabilidades são inerentes à condição humana, e num rasgo de ironia, afectam também seres com poderes sobrenaturais, como os vampiros que habitam o submundo de Florença.

Curiosamente, William York, o Príncipe de Florença, é um ser com poderes sobrenaturais, e que se julga incapaz de amar, muito embora revele especiais aptidões ao nível sensual e sexual. Sentindo a ameaça sempre premente sobre o seu mundo, tendo de lutar contra poderosos inimigos, e receando, a todo o momento, ver-se traído pelo seu círculo mais próximo (o Consilium,  que integra seis membros, a que se soma o Príncipe, e que reveste a natureza de um conselho governativo do Principado de Florença).

Também o poderoso Príncipe transporta consigo uma história pessoal algo traumática que, inevitavelmente, afecta o modo como se relaciona e se move no decurso da sua vida em termos sobrenaturais.

Com efeito, uma das mensagens mais importantes deste romance é que a imperfeição, os medos, as dificuldades e a capacidade de resiliência perante as adversidades acabam por ser tão transversais a toda a humanidade que, num rasgo de sábia ironia, o autor prova que tal circunstancialismo pode também ser transversal ao submundo, onde dada a existência de poderes sobrenaturais, poder-se-ia dar como adquirida a mais absoluta perfeição e o auto-conhecimento.

Um romance absolutamente fascinante, pelo belíssimo cenário da Cidade de Florença, que desfila perante os olhos do leitor em cada detalhe encantador; pelas personagens fortes, bastante densas psicologicamente e sui generis nas respectivas imperfeições, e pela narrativa muito bem estruturada e imensamente rica em apontamentos culturais e históricos.

As alusões a diversos aspectos históricos, em especial, ao Renascimento Italiano e ao seu relevante contributo para a história da arte acabam por ser o complemento ideal para afastar a obra de uma visão estereotipada, conferindo-lhe um factor de distinção, sem retirar a natureza sobrenatural e uns elegantes laivos de sensualidade e romantismo. 

Publicado em 16 Abril 2015

Arquivo

2017

2016

Visite-nos em:

Revista Bang Instagram Nora Roberts facebook youtube
Amplitude Net - e-Business