Tigana A Voz da Vingança - Crítica em Uma Biblioteca em Construção

Foi com um enorme prazer que voltei à Península de Palma e assisti ao desfecho de Tigana, de Guy Gavriel Kay. Por se tratar da segunda parte de um livro único, Tigana - A Vonz da Vingança retoma a acção exatamento no momento em que Tigana - A Lâmina na Alma terminou. Por já ter lido o primeiro livro há alguns meses, senti alguma dificuldade em iniciar esta leitura, já que foi necessário um exercício de memória para associar os nomes às personagens e para recordar alguns detalhes fulcrais. Quando foi tudo relembrado, a leitura seguiu um ritmo intenso, graças à capacidade do autor nos envolver nesta intriga.

Se no primeiro livro o autor dá a conhecer a maldição que se abateu sobre Tigana, a dor das personagens que viram a sua terra natal a ser esquecida e ainda revelou um território dividido entre dois tiranos tão diferentes, neste volume é altura de ver o plano dos heróis da narrativa a ser colocado em acção. E como qualquer plano, tem falhas e não está devidamente preparado para imprevistos. E é isso que traz adrenalina à leitura! Quando finalmente achamos que sabemos o que vai acontecer, surge algo inesperado que muda por completo o rumo dos acontecimentos. E existem algumas revelações realmente surpreendentes! É indiscutível que Guy Gavriel Kay sabe construir uma trama com mestria e que marca o leitor.

As suas personagens também apresentam evoluções muito interessantes e fundamentalmente humanas. Alessan, o príncipe sem reino, é a imagem de herói atormentado mas surpreende quando descobre que é possuidor de uma nova facetas. As suas acções correspondem a valores nobres e servem de exemplo. Baerd mantém a lealdade que lhe é característica desde o início, sendo que a novidade é a nova forma como lida com o passado que o tem prendido. Devin, o jovem que encontrou uma causa pela qual lutar ao lado de Alessan, continua a transparecer ingenuidade típica da idade e inexperiência, apesar das provações que se lhe atravessam no caminho, sendo por isso uma figura fresca e com inúmeras possibilidades. Catriana continuou a conquistar-me, apesar de ao início me ter deixado com dúvidas. Esta jovem mulher continua a achar que precisa de provar o seu valor de forma a afastar-se das escolhas feitas pelos pais, o que dá origem a momentos de grande coragem. Dianora, uma das figuras que tanto me agradou no primeiro livro, parece ter arrefecido neste, mas entende-se a razão para que tal tenha acontecido. A luta interior que trava é dura e percebe-se que mais do que uma mulher vingativa, é alguém com uma forte capacidade de amar.

Os vilões desta trama são fortes, o que faz com que justifiquem as atitudes dos heróis. Mais uma vez, realço a capacidade do autor dar a cada um destes tiranos uma personalidade distinta, quase como forma de avisar que a opressão pode vir de diferentes origens. Alberico de Barbadior acaba por representar a ambição desmedida, o querer poder apenas por querer, o que faz dele uma personagem facilmente detestável. Já Bradin de Ygrath é o vilão que consegue conquistar. Se por um lado tem atitudes que são condenáveis, por outro mostra-se alguém que luta por uma causa ligada a questões do coração, o que leva o leitor a sentir-se mais atraído a conhecer o seu lado, apesar de condenar as suas acções.

A conclusão está bem conseguida e é com algum pesar que se faz a despedida deste universo. Ao longo da leitura, as personagens tornaram-se reais, a trama chegou a parecer histórica, a magia foi usada de forma coerente, chegando a parecer natural. As lições transmitidas possuem forte valor e apesar de não estar expressa de uma forma directa, percebe-se a intenção de o autor querer transmitir uma mensagem actual. Guy Gavriel Kay faz reflectir sobre a importância da história, mostra que a redenção é sempre possível, que é ao lutar pelo que acreditamos que nos sentimos completos, que é possível magoar quem amamos quando procuramos alcançar um sonho e que o bem e o mal nem sempre são distintos.

Tigana é sem dúvida um livro rico e encantador. Uma leitura que dificilmente será esquecida e que recomendo a todos os fãs de fantasia.

Publicado em 3 Abril 2014

Arquivo

2019

2018

2017

Visite-nos em:

Revista Bang Instagram Nora Roberts facebook youtube
Amplitude Net - e-Business