"Vítima de racismo digital", Jovem Conservador de Direita é apagado do Facebook

A página satírica Jovem Conservador de Direita foi apagada definitivamente do Facebook esta semana. Acusado de "incentivar o ódio", um dos responsáveis pela publicação alerta para os limites à liberdade de expressão que o "ataque" do Facebook representa.

Com mais de 54 mil seguidores, o Jovem Conservador de Direita foi vítima de um novo apagão digital. Se, no primeiro, que aconteceu depois de uma série de publicações sobre o Partido Nacional Renovador (PNR), o Facebook voltou a colocar a página disponível, desta vez foi diferente.

"Fizemos um post de elogio fúnebre ao engenheiro Belmiro de Azevedo e, pouco tempo depois, recebemos uma série de denúncias", explica um dos responsáveis pela página, ao JN.

Depois de a publicação ter sido apagada da conta, os administradores fizeram um recurso à rede social. O post voltou a ser colocado do feed, mas foi novamente apagado. "Finalmente, recebemos uma resposta, em que o Facebook justifica o apagão por se tratar de uma página que usa um tipo de discurso que incentiva o ódio", diz. "Sendo esta uma página satírica, que pauta pela ironia, olhamos para esta resposta com uma boa dose de humor", aponta.
 

Sem encontrar qualquer justificação para a eliminação da página, recorda que, aquando das publicações do PNR, houve como um comportamento de grupo, de "utilizadores que desataram a denunciar a página". "Desta vez, não houve nenhum sinal particular", refere.

Liberdade de expressão "em risco" com denúncias digitais

A página utiliza da ironia para fazer as publicações e nasceu em 2015, no período das eleições legislativas que, depois da vitória do PSD, abriram a porta do governo à chamada "Geringonça". "A nossa página é inspirada no estereótipo de um jotinha que consegue ascender dentro de um partido de direita com mérito, mas com uma boa dose de compadrio", explica.

Se a linguagem utilizada na página prima por humor, o apagão de que foram alvo merece uma atenção particular. "É fácil denunciar alguma coisa nas redes sociais só porque não gostamos, como base unicamente nas emoções. Agora, quando vemos uma página como o Jovem Conservador de Direita ser eliminada por denúncias, que até podem ser de bots automáticos, percebemos que a liberdade de expressão está em risco".

Em relação ao futuro, agora que foram apagados da maior rede social do mundo, procuram um espaço que se possa cumprir as "necessidades de um jovem clandestino", brinca. "Já temos o Twitter e quem sabe criaremos um Google Docs para os nossos textos", conclui.

O JN tentou obter uma resposta do Facebook sobre o que terá levado ao fim da conta, mas, até ao momento da publicação do artigo, ainda não obteve qualquer esclarecimento.

Publicado em 21 Dezembro 2017

Arquivo

2018

2017

2016

Visite-nos em:

Revista Bang Instagram Nora Roberts facebook youtube
Amplitude Net - e-Business